Atoleiro na Rodovia Transamazônica atrapalha tráfego de veículo

Enormes atoleiros, filas de caminhões e muita lama ao longo da rodovia. Nesta época são comuns as cenas de caminhões, ônibus e carros pequenos parados nos atoleiros do trecho da BR-230, a Transamazônica, estrada que liga o Sul ao Oeste do Pará. O problema é uma herança de mais de 40 anos. Desde que foi construída na década de 70, a rodovia federal nunca foi tratada pelos governos como prioridade. As deficiências na infraestrutura dificultam a trafegabilidade.

Entre Novo Repartimento e Pacajá, trecho com cerca de 140 quilômetros, caminhões estão levando até sete dias para atravessar os atoleiros. Cargas perecíveis como frutas e verduras originadas do Sul e Sudeste do país chegam aos supermercados de Altamira sem condições de serem consumidas. O gerente de supermercado Fraldi Sousa conta que pelo menos 40% dos produtos que chegam têm que ser jogados fora por não apresentarem condições de consumo. Os que sobram ficam com valor alterado, o que resulta na reclamação por parte do consumidor que paga mais caro pelo produto. Outro grupo prejudicado são os passageiros que precisam do transporte de ônibus para chegar à capital ou cidades próximas.

Segundo o gerente da agência da Transbrasiliana em Altamira, Demivaldo Santos, é impossível colocar a nova frota de ônibus na estrada nesta época. “A empresa trocou a frota. É prejuízo colocar os carros nesta época. E quando chegar o verão, que conforto os passageiros vão ter com ônibus desgastados?”.  rodovia Transamazônica começa no Nordeste, em Cabedelo, Estado da Paraíba, e vai até Lábrea, no Amazonas. São cerca de cinco mil quilômetros. Enquanto está no Nordeste, a BR-230 é asfaltada e alguns trechos têm pista dupla, mas quando entra no Pará, a rodovia se transforma em um imenso deserto. Parte da estrada na região de Altamira, Pacajá, Brasil Novo e Marabá já foi asfaltada, mas nunca os trabalhos terminam, o que acaba causando transtorno para quem precisa dela.

Com informações de Diário do Pará

Esta entrada foi publicada em Amazônia. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Atoleiro na Rodovia Transamazônica atrapalha tráfego de veículo

  1. Paulo Afonso disse:

    De todas as ideias que vi sobre a Transamazônica, a que me pareceu melhor foi a de transformar um trecho da estrada em hidrovia, ligando-a à Hidrovia Tapajós-Teles Pires.
    Gostaria de ouvir os comentários dos leitores sobre essa ideia de libar Marabá a Altamira por via aquática.